domingo, 29 de novembro de 2015

A Bolívia Tem a Economia mais Solida da America Latina

A economia boliviana é hoje a mais sólida da América do Sul e o país colhe o que plantou desde a chegada ao poder de Evo Morales em 2006, apesar da crise dos hidrocarbonetos jogar no sentido contrário, assegurou o ministro Luis Arce.
À frente da pasta de Economia desde então e um dos dois titulares que acompanha Morales desde que assumiu o poder, junto ao chanceler David Choquehuanca, comentou ontem à noite que a Bolívia será o país de maior crescimento da América do Sul e um dos primeiros da América Latina.

Em declarações ao programa Esta Casa não é Hotel, transmitido pela Rede ATB, advertiu que "a economia boliviana continua crescendo e se está convertendo em uma meta importante no nível da América do Sul e Latina, porque certamente vamos ser a taxa mais alta da região pelo segundo ano consecutivo".

Explicou que há um modelo econômico estruturado de tal maneira que dá resultados e que está mostrando seu potencial, sua musculatura para enfrentar a crise.

"Estamos indo bem, não há elementos que nos façam pensar que há grandes efeitos da crise na Bolívia", comentou, ao lembrar que o governo nacional implementou medidas a tempo de evitar que os efeitos da queda internacional dos preços do petróleo e matérias prima, principalmente os minérios, fossem sentidos pela população.

Segundo Arce, a Bolívia colhe tudo que plantou "com nossas políticas de defesa da economia nacional contra a crise do sistema capitalista".

Para a autoridade, "o país vai receber menos dinheiro, mas isso não é impecilho para que o crescimento continue, porque temos o motorzinho do desenvolvimento econômico, que é a demanda interna, impulsionada pelo crescimento, que é o investimento público, e o consumo das pessoas que começa a dinamizar a economia interna".

As considerações de bancos e órgãos internacionais dedicados a estudar a economia, nos situam em primeiro da região e isso quer dizer que nosso modelo funciona e eles mesmos estiveram equivocados alguma vez, finalizou.

Arce não mencionou cifras desta vez, mas anteriormente enfatizou que o Produto Interno Bruto cresceria acima de cinco porcento, uma cifra impossível para a maioria dos países Latino-americanos.

Essa dado entusiasma a população, porque há dois anos o presidente Evo Morales advertiu que sempre que o crescimento ultrapassasse 4,5%, todos os trabalhadores do setor público e privado cobrariam um décimo-terceiro duplo (dois salários adicionais) em dezembro.