sábado, 1 de junho de 2013

Geral de Saúde da Idade Media

Geral de Saúde 
DORES DE CABEÇA - Perda de peso - VERMES - ​​WARTS & GRÃOS - repelentes de mosquito - antisépticos - PAPEL HIGIÊNICO

Talvez a mais conhecida revista médica medieval é o final do século 14 Tacuinum Sanitatis,mostrado acima, que era um códice médica com quase de página inteira, iluminações coloridas, escrito e iluminado para a Família Cerruti. Provavelmente foi feita a partir de Verona. Os Sanitatis Tacuinum abordados vários aspectos da saúde-ervas, substâncias, as emoções e os tipos de tecidos. Muito do que sabemos hoje sobre a saúde medieval vem deste livro. Existem cinco ou seis cópias existentes deste livro que variar um pouco, mas que contêm, na sua maior parte, o mesmo inofrmation.
O detalhe à esquerda, é a partir do Tacuinum Sanitatis e mostra um homem comprando remédio de uma apocathary. As escalas no banco foram usadas para dar a medida correta para maio de receitas complicadas usados.
Apenas alguns livros didáticos sobreviver especificamente lidar com a saúde das mulheres, embora se deve supor que as mulheres medievais enfrentou o mesmo tipo de queixas diárias, como a mulher moderna. Dores de cabeça, micose e verrugas eram vistos como pragas de um Deus indignado, mas remédios caseiros andavam de mãos dadas com a oração para a cura de muitas doenças.
Olhando para uma imagem de São Cristóvão foi devotamente acreditado para dar proteção contra a morte súbita para as próximas 24 horas. Vestindo um anel ou broche com os nomes dos três homens sábios, Caspar (ou Jaspar), Melchior e Baltazar - também foi bom para a epilepsia preventiva. Muitos anéis de 13 e 14 do século também foram inscritos com o AGLA cartas que eram para ajudar contra febres.
Hildegard Von Bingham, um século Inglês mulher XII phsycian escreveu sobre a saúde da mulher, assim como Gilbert o inglês no século 13.Sua compilação de remédios são baseados em um livro de medicina Latina e é conhecida como a doença das mulheres.
Acreditava sangria para libertar humores vil a partir do corpo através da ferida e foi amplamente praticada em ambos homens e mulheres. A imagem à direita é um detalhe formar a iluminação do século 14, oSaltério de Luttrell e mostra um médico liberando o sangue de um paciente doente.
Muitos remédios à base de plantas foram utilizadas durante a Idade Média, alguns dos quais persistem até hoje. Tomar mel para uma dor de garganta nestes tempos modernos certamente não levantar nenhuma suspeita e foi um remédio comum na Idade Média. Listados abaixo estão os preparativos caseiros à base de plantas registradas para uso já a partir do século 12. Por favor, não tente isso em casa.Eles fizeram ser prejudicial ou causar danos.

Não tente estes EM CASA!
Dores de cabeça 
Ele é escrito em Herbal de Culpepper, que verbena verbena officinalis repelido dores de cabeça, embora não especificou como.
A perda de peso 
Parece que, como agora, a mulher medieval poderia se preocupar com seu peso. Não queria ser magra, pois isso indica a falta de meios para alimentar-se corretamente, no entanto, após o parto ou quando o peso tornou-se maior do que o desejado, emagrecimento tônicos foram chamados. Para aumentar a perda de peso, erva-doceFoeniculum vulgare, à direita, as sementes têm a reputação de fazer as pessoas magras que são muito gordas. Paciência Jardim ou raízes de ruibarbo grande monge também foram utilizados em bebidas dietéticas.
Worms 
Alho Allium sativum, à esquerda, foi comido inteiro como um vegetal. Quente e seco, foi dado contra os venenos, mas também para matar vermes enquanto cebola Allium cepa mergulhada toda a noite em springwater mata vermes, se tomado em jejum pela manhã.
Outra cura é feita assim:
Tome giz de cal e duas vezes mais e com vinho ou água, fazer um cimento fino. Aplique com cinco dias com uma pena para a área onde o verme é. No quinto dia, tomar aloe e um terceiro, tanto mirra, paixão e com cera fresca, preparar um gesso. Utilize um pano de cânhamo e gravata por 12 dias.
Verrugas e calos tinturas 
O suco de orvalho sol sem mistura e aplicado topicamente irá destruir as verrugas e calos.Spurge ou leite spurge jardim é bom para tirar verrugas, se aplicado externamente.
Repelentes de mosquito 
Pennyroyal mentha pulegium era popular como um dissipador de pulgas espalhados ou queimados nos quartos, e as folhas foram esfregado sobre a pele para impedir insetos.
Anti-sépticos 
Marshmallow althaea officinalis, hera Hedera helix e espinho maçã datura stramonium ainda eram usados ​​no século XX Inglaterra rural para aliviar lesões, queimaduras e picadas de insetos e foram transmitidos por gerações como remédios fitoterápicos. Alum e romã Granata, à direita, são mencionados por Roger de Frugard como ingredientes em uma loção para superar supuração, são adstringentes.
Banckes 'Herbal escrito em 1525 sugere alecrim Rosmarinus officinalis como um anti-séptico escrita medieval:
ferver as folhas em vinho branco e lava o teu rosto com ela, a tua barba e as tuas sobrancelhas, e nenhum calos crescer, mas tu deve ter um cara justo.

Papel higiênico 
Quadrados de papel higiênico Althought feitos de ricepaper que era barato e abundante, era conhecido na China como no século 6, observou-se com horror que os chineses só limpou e não lavadas com água, como outros europeus fizeram.
Parece que o papel higiênico, e de fato a idéia de papel higiênico, era desagradável para os primeiros europeus e da utilização de quadrados de papel não foi adotada de volta para casa. Obviamente, algum tipo de sistema ou dispositivo de limpeza foi utilizada durante a Idade Média. Parece haver dois que conhecemos hoje, Gomphus ou a vara gomph etorchcut ou torche-cul. A vara gomph era uma vara curva e usado como usamos papel-higiênico para raspar. O torche-cul refere-se a palha que foi usado no banheiro. Ele literalmente se traduz como "babaca" ou "ass-tocha", indicando que a palha foi usado tanto para a iluminação no banheiro ou como uma substância para acabar com ele. Algumas pessoas afirmam que Spaghnum musgo foi usado para limpar com, mas não tenho provas concretas disso.
Talvez a água foi fornecido para lavar embaixo, bem como para as mãos e rosto, mas se assim for, ele não é mencionado em qualquer lugar que eu vi.

Higiene Feminina Medieval

Higiene Feminina Medieval 
O ciclo menstrual eo que fazer sobre isso 
Menstruação - tensão pré-menstrual - The Wandering VENTRE - produtos de higiene feminina 
- Temas adultos -
Menstruação 
Alguns médicos chamado menstruação a doença embora tenha sido geralmente aceite que era um castigo de Deus sobre as mulheres a pagar pelo pecado original de Eva no Jardim do Éden e, portanto, foi merecido e não de qualquer maneira na necessidade de socorro médico. Se uma mulher sofreu com cólicas ou fluxo excessivo, foi porque Deus quis. Ele também foi visto como extremamente significativo que as santas mulheres foram encontrados frequentemente para não menstruar, justificando, assim, a crença de mulheres regulares eram pecadores que mereciam a sua sorte.
Na realidade, as dietas extremamente frugal de mulheres muito piedosas foram, provavelmente, a causa subjacente para a falta de menstruação. Com uma dieta monástica rigorosa e falta de alimentação adequada, o corpo não poderia mais sustentar uma gravidez ou reproduzem e da menstruação parou. Se uma mulher deixou a vida religiosa dura e voltou para o mundo secular e dieta, sua menstruação iria voltar. Novamente, isso foi visto como um sinal indiscutível de Deus da santidade de freiras e do mundanismo de outras mulheres em geral. Outra possível razão para a falta de menstruação em mulheres santas é que muitas mulheres ricas apenas virou-se para uma vida de contemplação religiosa muito tarde na vida e foram, possivelmente, na pós-menopausa. 
De qualquer forma, os problemas associados à menstruação eram vistos como algo que não estava na necessidade de qualquer intervenção médica.
Aqueles que estavam mais medicamente mente acreditava que a menstruação derramamento de sangue começou na cabeça e viajou por todo o corpo coletando resíduos venenosos e humores. A crença popular é que o sexo com uma mulher menstruada poderia matar ou mutilar o sêmen e produzir descendentes horrivelmente deformado ou crianças com cabelo vermelho ou lepra. Apenas o olhar de uma mulher idosa, que ainda teve seus períodos foi pensado para ser venenosa, os vapores sendo emitida de seus olhos.
Acreditava-se também por alguns de que o toque de uma mulher menstruada poderia causar uma planta morrer, uma crença que provavelmente não foi compartilhada por latifundiários que necessitaram de mulheres para trabalhar ao lado dos homens no jardim e não quiseram perder dias de produtividade cada mês. Plínio, o Velho, no primeiro século, declarou que o fluido menstrual era mais potente-
O contato com ele se transforma novo vinho azedo, culturas tocado por ela se tornar estéril, enxertos de morrer, as sementes nos jardins secam, a fruta das árvores caem, a superfície brilhante de espelhos em que se refletem apenas é desactivado, a borda de aço eo brilho de marfim estão entorpecidos, colmeias de abelhas morrem, mesmo bronze e ferro são imediatamente apreendidos pela ferrugem, e um cheiro horrível enche o ar, para prová-lo leva cachorros loucos e infecta suas mordidas com veneno incurável.
Plínio relatou que as propriedades tóxicas das mulheres menstruadas poderiam ser bem aproveitados. Se as mulheres menstruadas girar o milharal nu, seria agir como um poderoso inseticida, escreveu ele. Lagartas, besouros, vermes e outros parasitas deveriam ser eliminadas. Durante a pragas de insetos, Plínio tinha lido, as mulheres menstruadas tinham sido instruídos a andar em torno dos campos com as suas roupas arrancadas acima de suas nádegas. Ele não observar se isto provou ser uma solução bem sucedida ou não. 
A tensão de pré-menstral 
Como em nossa sociedade moderna, tensão pré-menstrual não foi diagnosticada. Conhecida como a melancolia, muito pouco esforço foi gasto na busca de causas ou curas como foi mais uma vez vista como design natural de Deus para o sexo feminino e, portanto, não é necessário de mudança. Apesar disso, muitos remédios de ervas eram amplamente conhecidos e utilizados. 
As folhas adstringentes do Mantle alchemilla vulgaris Senhora, à esquerda, foram úteis com profusa menstruação. Espécies timotomilho era usado para "queixas das mulheres 'e como uma pomada para problemas de pele. Folhas frescas de Woodruff asperula odorata (mostrado à direita) feitas em chá e bêbado foi recomendado para náusea.
Aldobrandino de Siena produziu um regime de trabalho du Corps,que incluiu conselhos sobre higiene feminina, skincare e ginecologia. De acordo com o manuscrito do século 14,Tacuinum Sanitatis, erva-doce foi particularmente útil para a menstruação. Ele também informa que bolotas impediria a menstruação ocorra, mas não indica como as bolotas devem ser consumidos. Ele continua a dizer que este poderia ser combatida por ter as bolotas assadas com açúcar.
A teoria do útero errante 
Os médicos durante a Idade Média não chegaram a acordo sobre um ponto bastante incomum ligado ao feminino queixa-se o útero estava estacionado ou se ele vagava dentro do corpo, causando uma variedade de outras doenças incluindo vómitos-se parado no coração e perda de voz e uma tez incinerada se parou no fígado. O estresse de um útero errante era geralmente acredita-se ser a causa da histeria. Na verdade a palavra traduz livremente como histéricas loucura do útero. Mesmo os médicos que não aderem à teoria do útero errante, concordaram que a histeria era uma queixa exclusivamente feminino e provavelmente foi causada por uma falta de relações sexuais quando secreções uterinas construídas e não foram liberados, causando o corpo inteiro para ser envenenado.
Produtos de higiene feminina 
Há muito pouca informação sobre o que foi usado para a menstruação de uma mulher escrito. Trotula menciona chumaços de algodão a ser utilizado para a limpeza dos canais internos da vulva da mulher antes da relação sexual com o marido, mas é improvável que um algodão semelhante Estofo pode ter sido usado para uma espécie de tampão medieval como a crença em deixar o fluxo da menstruação e de drenagem do corpo prevaleceu. Para tapar o fluxo de sangue menstrual seria visto como perigoso e prejudicial para a mulher.Obviamente, algum dispositivo era necessário, então isso deixa o suplente como uma almofada sanitária de pelúcia ou guardanapo de algum tipo como uma conclusão lógica.
A almofada de tecido de linho parece possível, mas quando preenchido com algodão linho faria um bloco que seria improvável para lavar bem para reutilização. O recheio, provavelmente, não lave bem e seque mal nos invernos. Uma vez que as classes mais baixas também menstruar, parece que quando se considera um reutilizável, almofada lavável, esta não era a resposta. Parece que, devido às qualidades lãs água dissipando, é também improvável que uma de enchimento para uma almofada sanitária.
Na Idade Média, esfagno sphagnum cymbifolium, mostrado à direita, foi usado para papel higiênico e também foi considerado por cirurgiões que têm propriedades anti-sépticas. Ele também era conhecido pelo nome Moss sangue e foi usado durante as cruzadas por médicos para estancar o fluxo de sangue em ferimentos de batalha. Foi internacionalmente reconhecidos pelas suas qualidades como uma esponja absorvente e capacidade para ser lavado e reutilizado. A Chronicle Gaelic de 1014 relata que os feridos na batalha de Clontarf recheado suas feridas com musgo, e os escoceses depois Flodden tendem a suas feridas sangrando, preenchendo-as com musgo pântano.
Ocorre-me que isso poderia fazer excepcionalmente bom recheio para um sanitária almofada absorvente, reutilizável, lavável, quase que instantaneamente driable e disponível gratuitamente para tanto ricos e as classes mais baixas iguais em quase todas as localizações geográficas. O benefício de propriedades anti-sépticas do sangue menstrual venenosa de uma mulher, possivelmente, ser visto como um bônus.
Embora não haja nenhuma prova concreta, é perfeitamente possível que as mulheres medievais usados ​​guardanapos de musgo de pelúcia como absorventes higiênicos.Sabemos que o musgo é muito parecido um excelente esponja. É facilmente e rapidamente absorve e retém líquido. A água pode ser espremida e o musgo não colapse e está pronto para ser reutilizado. Uma camada de musgo de esfagno que absorvem o sangue em direcções laterais bem como acima e retê-la até que esteja completamente saturado.
Em um fórum de discussão em janeiro de 2006, Robin Netherton discute uma interessante encontrar a partir de um enterro no Herjofsnes. Trata-se de um bloco, possivelmente usado para incontinência. É feito de pele de foca, lã e tem vestígios de musgo no recheio. Suas conclusões são:
Quando o corpo foi colocado no túmulo deve ter sido deitado na parte de trás do sistema operacional coccygis ... uma tira de pele de foca, ao qual foi fixado um redbrown lã cordão para manter a pele de foca no lugar, enquanto na frente no púbis, também foi mantida no lugar por um par de fios de lã que provavelmente passou-se a uma corda ou cinto sobre o hip- região, representando, assim, uma espécie de passagem bandagem de mons pubis entre fêmures para baixo antes pudenda e ânus e até entre nates na região sacral.
Ela mostra que a possível utilização de uma almofada de incontinência para ambos e outros fluidos corporais era conhecido. De fato, antes do advento do bloco sanitário auto-adesivo, guardanapos foram igualmente suspensos, embora a partir de modernos suspensórios elasticised

Oral Care & Odontologia Medieval

Oral Care & Odontologia Medieval 

RESPIRAÇÃO FRESHENER - dente branqueamento - dor de dente REMÉDIOS 
DENTE DECAY - Odontologia - DENTADURAS
Dentes no período medieval não eram talvez tão ruim quanto Hollywood nos querem fazer crer. Escovas usadas para a limpeza específica dos dentes parecem ser desconhecida, embora varas para pegar a comida deixada entre os dentes foram amplamente utilizados.Dentes ainda quebrou, tem cavidades e úlceras, mas decadência a partir de refinados, açúcares processados ​​foram significativamente menos do que hoje. 

Refrescante do hálito Senhoras que estavam incomodadas com o mau hálito foram aconselhados a empregar o uso de anis, Fennell e canela como remédios. Para mastigar as folhas devem aliviar a situação muito da mesma forma que a salsa é servido em nossos pratos de hoje, e não apenas um enfeite, mas também para eliminar qualquer mau hálito causado por alimentos odoríferos. 
Whole dentes machucados Syzygium aromaticum, mostrado à direita, realizada na boca também adoçado a respiração. Colutorios de vinagre, juntamente com vários pós e as folhas da planta malva foram utilizados para manter o hálito doce. 
Outras soluções incluem gargarejo bétula e hortelã embebidas em vinho e esfregando as gengivas com um pano de linho forte até sangrar. Sálvia, alecrim e malva é sugerido para ajudar com a dor da boca e junto com o sal e vinagre para afastar o câncer de boca.
Hildegarde de Bingen, 1158, recomenda este enxaguatório bucal e hálito refrescante-
Quem deseja ter os dentes rígidos e saudáveis ​​devem tomar, a água fria pura em sua boca pela manhã, quando ele sai da cama. Ele deve segurá-la um pouco na boca para que o muco ao redor de seus dentes ficam moles, e por isso esta água pode lavar os dentes. Se ele faz isso, muitas vezes, o muco ao redor de seus dentes não vai aumentar, e seus dentes vão permanecer saudável. Desde o muco adere aos dentes durante o sono, quando a pessoa se levanta do sono ele deve limpá-los com água fria, que limpa os dentes melhor do que água morna. A água quente torna mais frágil.
Clareamento dental 
Muitas preparações à base de plantas foram usadas para limpar os dentes e preservar a brancura. As cinzas da videira-árvore ou videira queimada foram pensados ​​para fazer os dentes que são tão negro como o carvão a ser tão branco como a neve, se você esfregá-las todas as manhãs. Trotula de Ruggiero, um médico mulher do século 11, escreveu em De Ornatu Mulierum (Cerca de Cosméticos Femininos) -
Os dentes são clareados assim. Tome mármore queimado branco e poços data queimadas e natron branco, uma telha vermelha, sal e pedra-pomes. De todos estes fazem um pó em que lã molhada foi envolto em um pano de linho fino. Esfregue os dentes dentro e por fora. 
A mulher deve lavar a boca depois do jantar com vinho muito bom. Em seguida, ela deve secar muito bem e limpe com um pano novo em branco. Por fim, deixe-a mastigar cada dia funcho ou Lovage ou salsa, o que é melhor para mastigar porque exala um cheiro bom e limpa boas gengivas e faz com que os dentes muito brancos.
. Outras receitas para clareamento dos dentes incluem erva elecampane inula heleniumpara esfregar os dentes, ou fazer um pó de folhas de sálvia e sal A receita para um pó de dente seguinte: partes iguais de chocos osso, pequenas conchas brancas, pedra-pomes, chifre de veado queimado, salitre, alume, sal, raízes queimadas de íris, aristolochia e juncos. Todas estas substâncias devem ser cuidadosamente reduzido a pó e depois misturado.
Remédios de dor de dente 
Dor de dente era visto como um castigo de Deus para os que sofrem maus-fazeres ou causada por vermes escavando nas gengivas e dentes. O tratado de Roger Frugard, que foi escrito em latim na Itália em torno de 1180AD, sugere cauterizar a pele atrás das orelhas antes de aquecer meimendro hyoscyamus niger e sementes de alho-poró sobre brasas e garantir o paciente inala a fumaça através de um funil. Tão tarde quanto 1314, orando a St Apollonia em sua festa de 09 de fevereiro ainda foi recomendado como uma cura.
Fontes galesas indicar o uso de erva-moura Solanum nigrum, mostrado à direita, embora não seja de que forma.Pellitory Anacyclus pyrethum também foi usado contra o mau hálito, dor de dente e cárie como eram opium somniferum e óleo de cravo caryophyllus aromaticus.
Uma nota marginal no Lebar Brecc da Revue Celtique V,editado e traduzido por Whitley Stokes nos dá esta oração para curar sua dor de dente:
Ordu Thomais togaide i toeb Crist cen chinaid 
ron-ICCA mo DETA cen guba ar chruma é ar idhain. 
(Tradução: Que o polegar de Thomas escolhida no lado de Cristo inocente 
curar os meus dentes sem lamentações)
A cárie dentária 
A falta de açúcares refinados que conhecemos hoje assistido em menos casos de cárie dentária, embora a má nutrição causada seu próprio conjunto de problemas. Acreditava-se que a decocção das cascas de pimenta caiena ou pimenta Guiné feita com água preservados os dentes de podridão e as cinzas deles sendo esfregada nos dentes irá purificá-los e torná-los olhar branco. Há registros de ácido sendo empregados para derramar em cavidades dentárias dolorosas que destruíram as terminações nervosas e allieviated a dor, mas não fez nada para voltar a impor o shell dente. Material utilizado para os primeiros recheios incluem enxofre, cânfora, cera de abelha, arsênico, nozes biliar, gordura de porco e mirra.
Odontologia 
Para a população leiga odontologia era muito rudimentar e muitas vezes extrações foram realizadas por itinerantes que viajavam de cidade em cidade. Uma aconselha:
Tire algumas salamandras, por alguns chamados lagartos, e os besouros desagradáveis ​​que são encontradas em pântanos, durante o horário de verão, calcinar-los em uma panela de ferro e fazer um pó mesmo. Molhe o dedo indicador da mão direita, insira-o no pó, e aplicá-lo ao dente com freqüência, abstendo-se de cuspi-lo fora, quando o dente vai cair sem dor. Está provado.
Os ricos muitas vezes foram oferecidas e melhor atendimento odontológico mais especializado. Durante a Idade Média, uma esponja com Branco Poppy papever sucosomniferum, mandrake, cicuta e hera foi usado como uma forma de anestesia e é possível que isso foi usado por dentistas. Pós extracção sangramento e infecção, muitas vezes causado problemas. A imagem à direita é um detalhe de uma iluminação francês de 1470 mostrando uma extração de dente.
O texto de Roger Frugard discute cancro oral e recomenda que, nos estágios agudos que podem ser curadas por corte na carne em redor do cancro, cauterização da ferida e, em seguida, selando-o com gema de ovo antes de lavá-lo com o vinho. Após três dias, a ferida deve ser friccionado com alúmen, antes da aplicação de uma loção feita a partir de vinho e mel e infundida com as raizes da relva verbasco, madressilva, romã e gengibre.
O texto de Guy de Chauliac lista os itens que um dentista deve ter. Eles incluem:
lavagens da boca, gargarejos, masticatories, anointments, decalques, fumigações, cauterizações, recheios, oportunidades de negócios, e as diversas operações manuais e devem ser fornecidos com os instrumentos adequados: raspadores, grosas, spatumina retas e curvas, elevadores, simples e com dois ramos, pequenas sealpels, trépanos dente, arquivos, tenáculos dentes, e muitas sondas.
Ele reconheceu a presença de tártaro que ele chamou de limosity endurecido ou limyness.Sugeriu a utilização de grosas e spatumina como um meio de remover manualmente o tártaro.
Dentaduras 
Guy de Chauliac refere-se a dentes falsos feitos a partir de outros menis dentes ou de um osso kowes ', os ossos de uma vaca. Se os dentes afrouxar, ele aconselha que ser fixado para os saudáveis, com uma corrente de ouro. Se os dentes caem, eles podem ser substituídos pelos dentes de uma outra pessoa, ou com dentes artificiais feitos a partir oxbone, que pode ser fixado no lugar por uma ligadura de metal fino. Ele diz que esses dentes pode ser útil por um longo tempo. B Paul Newman, autor de Vida Diária na Idade Média, afirma que as tampas de ouro foram usados ​​tão cedo quanto o século 15. Um artigo publicado no British Dental Journal mostra que alguma literatura do século 12-14 faz referência à criação de dentes falsos. A palestra proferida aos PHS maio 1993 pelo Dr. David Brown, Chefe do Departamento de Ciência dos Materiais Dental, UMDs Faculdade de Odontologia, Guys Hospital, em Londres declarou que:
historicamente, uma variedade de materiais tem sido usado para bases de próteses, incluindo pedra, madeira, concha, osso, chifre, marfim e metal. Os romanos usavam osso e marfim (do hipopótamo), incluindo os dentes naturais nas próteses posteriormente marfim e dentes de porcelana posteriores.Parece haver nenhum registro dessa tecnologia sendo usada na Idade Média no entanto, assim não se sabe se estes métodos eram conhecidos e utilizados ou não.
Johanues Arculanus, um professor de medicina e cirurgia em Bolonha 1412-1427 é o primeiro sabemos que menciona o preenchimento de dentes de ouro. 

Medieval Hair Care

Medieval Hair Care 

ferramentas grooming, tratamentos, coloração 
Escovas, Pentes e GRAVOURS - CABELO BALMS e tônicos 
Headlice & DANDRUFF TRATAMENTOS - Coloração O CABELO
Escovas, pentes e Gravours 
Hairbrushes como as conhecemos hoje não parecem ser mencionado durante a Idade Média, embora pentes são amplamente descritos e escrito sobre, não só como uma ferramenta de preparação, mas como um presente adequado de um amante à sua amada dama. Favos eram frequentemente muito talhada ou pintado com cenas de amor cortês ou aves e animais e pode ser uma parte de um conjunto de produtos de higiene pessoal. 
Alguns dobrado para formar uma espécie de X, enquanto outros eram rígidas e planas, como os pentes de hoje. Muitos mostram um alto grau de fino acabamento.
Os arqueólogos descobriram alguns exemplos muito bonitos de buxo, pentes de osso e marfim como os 1320 pente de marfim descritos acima à direita. Acredita-se que seja de obra parisiense. O design é típico daqueles do período e é provável que tenha sido possuído por uma mulher nas classes superiores.
Outro ajudante de cabeleireiro amplamente utilizado na Idade Média foi o gravour. O gravour foi um longo, fino instrumento usado para separar o cabelo e, provavelmente, também usado para particionar o cabelo enquanto cestaria ou denominar alguns dos penteados mais elaborados. Alguns gravours tinha lindamente esculpidas lida como pode ser visto aqui na esquerda, neste exemplo, 1330 Paris. A ponta esculpida mostrado aqui é sete centímetros de comprimento.
A conta real francesa de 1316 descreve um conjunto de quatro instrumentos de higiene:espelho, pente, gravour e estojo de couro adquirido pelo valor de 74 xelins, o que foi bastante substancial.
Balms de cabelo e tônicos 
Muitas preparações à base de plantas são utilizados para limpar e proteger o cabelo. Tal como acontece com as pessoas mais velhas de hoje em dia, perda de cabelo era uma preocupação que foi atendido com bálsamos e tinturas. Aloe vera, quando misturado com vinho, foi acreditado para evitar queda de cabelo, esfregando na cabeça. Língua de Hound sai machucado ou o suco fervido em banha de porco e aplicado à cabeça era outra receita para ajudar com a queda dos cabelos.
Outros cabelo remédios tônicas incluiu-o suco de cebola Allium cepa esfregou na cabeça, em seguida, colocado no sol; kernels pessegueiro machucado e cozidos em vinagre até que se tornem grossa aplicada à cabeça é um restaurador e faz o cabelo crescer em lugares carecas ou onde é desbaste; Quince Tree algodão ou para baixo de marmelos cozidos e colocou como um emplastro feito com cera, traz o cabelo para os que estão careca ou assistências com a perda de cabelo, as cinzas de Southernwood ou Old Man Árvore artemesia abrotanummisturado com óleo de salada faz o cabelo crescer novamente se na cabeça ou da barba; Walnut Juglans regia kernels, mostrado à direita, queimado e levado no vinho tinto ficar a queda de cabelo na cabeça e torná-lo justo, sendo ungido com óleo e também Avenca Branco
O lee fez delas é singularmente bom para o skurf e stayeth a queda do cabelo, fazendo com que ela cresça de espessura, justo e bem colorido.Para isso, ferva-o em vinho, coloque semente smallage e depois, um pouco de óleo.
Tratamentos headlice e caspa 
Headlice era tanto um problema para a mulher medieval como sua contraparte moderna e remédios de ervas foram usadas para ajudar a combatê-las. O detalhe à direita é um detalhe retirado de um manuscrito francês do século 15 por Boccaccio, o de Claris Mulieribus que mostra uma mulher usando um pente medieval com cerca set dentes de um lado não muito diferente de nosso moderno headlice pentes. 
O suco dos jovens ramos da Vassoura-Rape feita em uma pomada com graxa de porco e aquecido como o óleo era um remédio para matar piolhos do corpo e da cabeça. SalsaPetroselinum crispum repelido piolhos, assim como o óleo das sementes de Spurge ou Jardim Spurge. Sementes Pautas-Acre grosseiramente em pó e espalhou no cabelo também foi para remediar piolhos.
Para tratar a caspa, uma infusão de Cleavers galium aparine não só ajudou a limpar a pele, mas fez uma lavagem para a caspa. Acreditava-se também que as folhas ou casca do salgueiro no vinho tiraria a caspa, lavando com ele e uma lavagem do suco de beterraba com água e vinagre limpou a cabeça da caspa e foi repelido o derramamento de cabelo como seria a cabeça lavada Menores Escabioso campo.
Colorir o cabelo 
De acordo com os tratados que contêm remédios à base de plantas, as mulheres medievais, de fato, tingir os cabelos. Embora a loira era a cor preferida e mais elegante, receitas para cabelos escuros eram conhecidos, talvez para disfarçar cabelos brancos como eles são hoje. Supõe-se que estas receitas foram destinados apenas para mulheres da cidade que tinham acesso a esses ingredientes ou os fundos para comprá-los.
Receitas para transformar o cabelo amarelo incluem-O cabelo quando lavado com a mentira feita de cinzas da árvore Barberry e água, irá fazê-lo virar amarelo. Para tingir o cabelo amarelo, mel e vinho branco deixados durante a noite no cabelo, em seguida, uma mistura de raízes calendine, azeitona garança, óleo de sementes de cominho, aparas de caixa e açafrão foi recomendado. Lavar depois de 24 horas. Schroeder diz ...
mulheres na Alemanha usar os gomos de choupo negro para fazer seu cabelo crescer grosso e ornamental.
embora ele não indicar como.
Ambos Sanitatis Hortus e Dioscorides afirmou que chá de sálvia salvia officinalis tinturas o cabelo preto, embora o Tacuinum Sanitatis indicou que Sábio remove a cor escura do cabelo.
Outras receitas para tingir os cabelos negros incluem-Gall Carvalho brasas omphacitis de galhas queimadas sendo resfriados em vinho ou vinagre, as folhas de amora cozidos em centeio, uma receita que foi, talvez, disponível para as mulheres mais pobres que viviam na zona rural e não têm o animais das cidades disponíveis livremente com eles. Uma receita mais complicado e demorado é o seguinte: Para tingir o cabelo preto, uma mistura de ferro, castanha vesícula e alúmen fervida em vinagre e deixado sobre a cabeça durante dois dias, foi recomendada.
Saffron ou Saffon ou Saf-Flor Crocus sativus, mostrado à direita, era uma tintura de cabelo usado popularmente, embora para produzir a cor que é incerto. Opal colares foram um favorito com as senhoras loiras, pois considerou-se que as opalas protegido cabelos louros de esmorecer ou escurecimento. O conselho das mulheres adultas no manuscrito medieval popular, o Roman de la Rose oferece este conselho para colorir o cabelo:
.. E se eles precisam de cor, ela deve tingi-los com diferentes tipos de plantas-extratos, para a fruta, madeira, folhas, cascas e raízes têm propriedades medicinais poderosas. 

Tomar banho e limpeza da mulher medieval

Limpeza 
Tomar banho e limpeza da mulher medieval 
BANHA - DEODORANT - Sabonete - PERFUME
O padrão geral de limpeza medieval era consideravelmente maior do que os filmes de Hollywood nos querem fazer crer. A pessoa mais pobre estava tão preocupado com a higiene pessoal e limpeza, como os ricos, talvez até mais. Uma pessoa que trabalhou com animais ou nos campos durante todo o dia seria mais preciso lavar as mãos eo rosto antes de uma refeição do que uma pessoa que não tinha trabalhado no trabalho manual. Uma falta de dinheiro e posses não impede as classes mais baixas a partir de uma boa higiene básica. 
Banho 
Mãos e rostos eram geralmente lavado com água antes das refeições e depois. Nas famílias nobres, jarros de água que muitas vezes eram perfumadas com pétalas de rosa ou outras ervas perfumadas que foram reservadas para esse propósito expresso. Na foto acima, à direita é uma seção vitrais dos Trabalhos do mês, junho datado no dia 15 de centuryfrom Brandison Hall, em Norfolk. Ele mostra uma mulher tomando banho em uma banheira de madeira grande, com dossel. Banho era uma parte do ritual diário. O camponês ou de classe baixa que se banhar em rios ou lavar a partir de uma pequena bacia e jarro, enquanto os mais ricos iria assistir banhos públicos se não tiver um em sua residência.
Na foto à esquerda, é um detalhe de um manuscrito iluminado do século 14, Tacuinum Sanitatis mostrando duas mulheres lavando as pernas em uma bacia de água rasa, o kirtle atraído de volta até as coxas. 
Devido à forma como as pessoas medievais utilizado seu espaço familiar, uma sala separada não era geralmente reservado para o propósito de tomar banho sozinho. A banheira de madeira seria levada para a sala onde ele foi requerido, juntamente com a água aquecida e óleos perfumados ou sabonetes. Parkinson recomendado a adição de espécies timo Tomilho para banhos e salgar por suas qualidades refrescantes e cheiroso. Foto à direita é um detalhe de uma iluminação de mulher, sendo banhada pelo seu servo, fonte desconhecida. Uma cortina proporciona privacidade. Suas roupas são penduradas em um poste nas proximidades. 

No século 14 Boccaccio é o Decameron, lemos sobre o banho-
"Sem permitir qualquer outra pessoa para colocar a mão nele, a senhora lavou-se Salabaetto todo com sabonete perfumado com musk e cravo.Ela, então, havia se lavado e esfregado para baixo pelos escravos. Isto feito, os escravos trouxeram duas folhas finas e muito branca, tão perfumados com rosas que parecia ser rosas, os escravos Salabaetto envolto em um ea senhora do outro e, em seguida, levou-os tanto em seus ombros para a cama. . . Eles, então, tirou os vasos cesta de prata de grande beleza, alguns dos quais foram preenchidos com água de rosas, alguns com água laranja, alguns com água de jasmim, e alguns com água de limão, que aspergiu sobre eles. Depois que eles se refrescado com caixas de doces e os melhores vinhos.
Banhos ou stewes eram quase um passatempo popular para o townsperson ou nobre. Banha perfumadas pode também incluir música, uma refeição ou refrescar servido numa bandeja que atingiu a partir de um lado da cuba para o outro. Banhistas seria a presença de homens e mulheres que suprem as necessidades do patrono. Embora patronos banhado nua, headwear ainda era usado para preservar a modéstia.
A igreja, enquanto favorecendo a limpeza da mente, corpo e espírito foi muito rápido para denunciar stewes públicas como antros de iniqüidade e frouxidão moral, que parece, muitas vezes eles eram.

Desodorante 
Remédios de ervas foram usadas para combater o velho problema de cheirar mal. Assim como a água do banho perfumado, desodorantes eram conhecidos e amplamente utilizado. Uma desodorante composto por uma infusão de folhas de louro e hissopo era conhecido.Acreditava-se que as sementes de rúcula selvagem recolhido uma bebida levar o cheiro das axilas e uma preparação de salvia officinalis foi usado para impedir a transpiração.Dioscorides sugere sábio como desinfetante e adstringente escrito que:
ele vai fazer corpo de um homem limpo, por isso que que se serve para comer desta erva ou beber, é maravilha que qualquer inconveniência que deveria afligir-lhes que usá-lo.
Sabão 
Documentação das guildas de produtores de sabão pode ser encontrada na Europa já em 800 dC, embora sabão como nós o conhecemos não entram em uso generalizado na Europa até que, durante o século IX. É geralmente aceite que o sabão era conhecido na Inglaterra por volta do século 10. Um registro de Richard de Devizes, um monge do século 12 faz observação sobre o número de fabricantes de sabão em Bristol e da natureza mau cheiro de sua profissão. Registros mostram também um "sopehouse 'no Bishopgate em Londres no século 15.
Sabonetes iniciais foram feitos geralmente com sebo, cinzas e carne de boi ou de carneiro gorduras tornando-os bastante atraente ao olhar. As técnicas para a produção de sabão melhorado durante os próximos 200 anos mas bolos de sabão permaneceu relativamente macio. Até o século 12, o sabão duro entrou em uso, que se dizia ser um desenvolvimento árabe depois importados para a Europa. Os melhores sabonetes eram conhecidos comosabão Castela tendo originado em Castela, Espanha, e fez uso de óleo de oliva em vez de gorduras.
Perfume 
Perfumes e sachês eram muito procurados na Idade Média. Durante a primeira cruzada, os cruzados entraram em contato com os "infiéis" e também com as suas mulheres docemente perfumadas e muito perfumado. Os cruzados levaram de volta amostras desses perfumes para as suas próprias mulheres.
Rosas e lavender Vera e lavendula spica foram especialmente cultivadas para destilação de seus óleos, no período medieval, tanto quanto eles são hoje. Myrtle era conhecido e também usado em receitas para perfumar. Almíscar era conhecido e usado como um fixador, como foi o âmbar extremamente dispendiosos que foi importadas

Os pêlos do corpo

Os pêlos do corpo 

Tendências com os pêlos do corpo das mulheres medievais
- Temas adultos! -
Os pêlos do corpo de qualquer tipo sobre as mulheres é um estado que parece ter sido evitado durante o período medieval. Isto é amplamente refletida em obras de arte da época.
Foto à direita é um detalhe do livro iluminado de horas para Bourges Use datado 1500 e fabricado na França. Embora o período de tempo é para o final do medieval e começar um dos períodos renascentista, a mulher ainda mantém as características consideradas desejáveis ​​e belo-pálido, pele branca, seios pequenos retos, quadris generosos, testa alta e cabelo loiro.
Mesmo que tirar as sobrancelhas e linha fina no topo da testa era comum para muitas mulheres, a igreja foi extremamente infeliz com isso. EmConfessionale, clérigos são incentivados a perguntar quem veio a confissão:
Se ela arrancou o cabelo de seu pescoço, ou sobrancelhas ou barba para lavisciousness ou para agradar aos homens ... Isso é um pecado mortal, a menos que ela faz isso para remediar desfiguração grave ou de forma a não ser desprezada pelo marido.
Muitos livros citar pequenas pinças feitas de liga de cobre ou prata, como parte de conjuntos de higiene medievais. As pinças de esquerda são datados a partir do século 15 e contam com pinças de latão, uma earscoop e uma pick prego, tudo articulado para dobrar quando não está em uso.
Obras de arte contemporâneas, quando eles mostram as partes íntimas femininas em tudo, mostrar claro de todo o crescimento do cabelo. Uma vez que a prática geral da pinça no rosto e couro cabeludo para conseguir uma aparência elegante era popular, não é difícil imaginar que as mulheres também podem ter removido os pêlos indesejáveis ​​na região pubiana. Treatice século 11 do Trotula de Ruggiero, De Ornatu Mulierum (Sobre Cosméticos Femininos) aconselha um remédio depilação para as mulheres:
A fim de remover o cabelo permanentemente. Tire os ovos de formigas, orpiment vermelho e goma de hera, misture com o vinagre e esfregue as áreas.
A referência escrita para pêlos pubianos fêmea que tenho encontrado é na narração do conto de Griselda, uma história popular, muitas vezes recontada, de um marido cruel e sua esposa submissa e duradouro. Em uma versão, o Gualtieri marido discute o tipo de mulher que quando saiu de sua casa em apenas um chemise que aquecê-la lã ou esfregar h er pele contra outro homem para adquirir roupas finas. É bastante certo que o da lã e pele referido é pêlos pubianos da mulher. A partir disso podemos verificar que pelo menos algumas mulheres mantiveram seu cabelo.
Para contrariar este ponto de vista, Erasmus em sua obra O Elogio da Loucura fala de uma velha comprando-se um amante mais jovem, dizendo:
Hoje em dia qualquer caduco velho com um pé na cova pode se casar com uma jovem suculenta, mesmo que ela não tem dote .. Mas o melhor de tudo é ver as mulheres mais velhas, quase mortas e parecendo esqueletos que crapt fora das suas sepulturas, ainda resmungando "A vida é doce!" Tão velho quanto eles são, eles ainda estão em calor ainda seduzir um jovem Phaon eles contrataram para grandes somas de dinheiro. Todos os dias eles se gesso com maquiagem e depilar seus pelos pubianos, eles expõem seus seios caídos e tentar despertar o desejo com suas vozes finas.
Mesmo que este texto foi escrito em 1509, mostra que naquele momento, era normal para uma mulher para ser sans pêlos pubianos. Se isso estendida para o campesinato é duvidoso e se estendeu a todos os países europeus só pode ser imaginado.

Penteados medievais

Penteados medievais 

Penteados - tranças - Cornettes - RAMSHORNS - estilo europeu 
Postiços FALSOS & Perucas - coifas - SOBRANCELHAS & couro cabeludo
Penteados 
Filmes medievais têm muito a responder quando se trata do retrato fiel do estilo de cabelo das mulheres durante a Idade Média.Personagens geralmente são mostrados com tranças, fluindo muito longos e nada ou pouco mais que um aro de metal ao redor da testa. A realidade, no entanto, era geralmente longe disso. Esta página cobre o cabelo eo que fazer sobre o próprio couro cabeludo. Para saber mais sobre chapéus, coroas, circlets etc, visite o cabeça-vestidos página.
O cabelo das mulheres tem sido associado com o pecado e tentação, e com a vida medieval fortemente centrada em torno da igreja, era a opinião geral de que o menor foi exibido, o melhor. Qualquer decente, mulher temente a Deus, na Inglaterra, a França e alguns da Europa, na maior parte, foi um grande esforço para esconder seus cabelos em público. Mesmo as classes altas e royalties conteve os seus cabelos. À direita acima é um detalhe do Saltério de Luttrell Inglaterra do século 14, que mostra as mulheres vestir seus cabelos.
Escorrer tranças podem ser vistas em alguns iluminações com alguns estilos de costume, embora seja mais usual para apenas solteiras, as mulheres jovens a ter o cabelo solto.Mulheres italianas abandonaram o véu consideravelmente mais cedo do que os seus homólogos de outros e, durante os séculos 14 e 15 escolheu para enfeitar o cabelo com tranças elaboradas, miçangas e fitas de feridas. Geralmente, durante a maior parte do período medieval, uma mulher casada teria coberto a cabeça com véus, véus, panos, barbettes, toucas, véus, chapéus, capuzes ou uma combinação dos mesmos a fim de evitar sua exibição cabelo. A notável exceção nessa tendência de cabelo cobertura é a Itália, onde as mulheres geralmente amarrado suas tranças atravessada por cima da cabeça.
Cabeleireiro elaborado também deu uma mulher a oportunidade de mostrar o seu gosto em acessórios para o cabelo. As imagens mostradas acima são datados de 1365-1380 e show de Jeanne Burbonne que tem um penteado fita-encerrado. É interessante notar, neste caso, toda a prega de cabelo não é revestido, apenas a parte da frente está ligada antes do resto do cabelo é trazido para trás e, em seguida, de novo para cima.
De um modo geral, apenas uma mulher de muito má criação ou de uma prostituta não fez nada com seu cabelo e até mesmo as mulheres camponesas fez um esforço para parecer modesto e decente. Apenas em algumas circunstâncias, como o casamento de um casal real, a noiva pode ser visto representado com os cabelos. Roman de la Rose menciona, infelizmente, o conselho do amigo, que fala de como fazer isso:
.. As mulheres são tão vaidoso que trazem vergonha para si, por não considerar-se bem recompensado pela beleza Deus lhes deu. Cada um usa uma coroa de ouro ou flores de seda na cabeça, e, assim, orgulhosamente adornada, passa sobre a cidade mostrando-se fora ... ela está disposta t colocar algo na cabeça dela que é menor e mais vil do que ela .. assim, ela procura a beleza nas coisas que Deus tem feito muito mais vil na aparência, como metais ou flores ou outras coisas estranhas.
Tranças Tranças e penteados trançados eram extremamente populares durante o período medieval para as mulheres de todas as idades e todas as classes.
Mostrado à direita é um detalhe de uma pintura The Nativity datada em torno de 1400. Ele mostra uma menina com um cabelo estilo medieval popular para trabalhadores de duas tranças trazidas da nuca e cruzou por cima de sua cabeça e amarrados.
Não só foi este estilo fácil de vestir em casa-se sem assistência, parecia agradável aos olhos, foi considerado modesto e manteve o cabelo amarrado e limpar ao executar tarefas manuais. Muitas vezes, essas tranças foram interwound com fita para decoração e também para fins de segurança. Muitas vezes, essas tranças fita-incorporados são confundidos com um rolo acolchoado de algum tipo com fita de tecido em torno dele, o que não era o caso. Mais tarde, no final do século 15, alguns rolos acolchoados ligados ao coração hennins forma tinha elementos decorativos, mas eles são totalmente diferentes.
Nas primeiras décadas do século 14, as mulheres da moda na Inglaterra descartou a combinação barbette e filé em favor de tranças usadas em frente da orelha de cada lado do rosto. O penteado surgiu na França, antes do final do busto century.The 13 º à esquerda é datada entre 1327 e 1341 é de Marie de France e mostra este penteado embora usado com um filé. Este estilo foi adotado por ambas as classes inferiores e as classes mais altas e pode ser visto em muitas iluminações do período.
Cornettes 
Cornettes fosse o nome dado frequentemente para o penteado que o cabelo seja trançado ou levantado para os templos em formas chifre-como. Nos Mistérios Townley pela Surtees Society em 1460 o cabelo de uma mulher é descrito-
"Ela é como uma hornyd .. Kowe para syn".
Em 1350, o bispo Gilles li Muisis ficou muito descontente pela vanilty de mulheres que adotaram esses penteados que ele chamou de Cornes e cocares de um estilo semelhante conhecido como hauchettes, e repetidamente sermonised contra eles. 
A pintura de Van Eyck conhecido como o casamento Aldolphini datada de 1434 mostra a jovem com seus elegantes Cornettes vaca semelhantes sob um véu com fileiras de pregas nas bordas.
Ramshorns 
Por volta do final do século 13, uma forma muito popular de penteado foi o ramshorn, que foi criado por partindo o cabelo para baixo do centro e enrolando o cabelo sobre as orelhas redor em um rolo de papel como o de um chifre de carneiro.
Esse estilo se tornou popular novamente na Europa no final do século 15 com a adição de sedas, fitas e véus entrelaçados nos cornos laterais. Broches Jeweled foram frequentemente incluídos como parte do penso na parte superior da cabeça. Mostrado à esquerda, um detalhe doretrato de Battista Sforza from 1465-1466 por Francesca mostrando a tarde ramshorn como foi usado por elegantes senhoras nobres. Esse estilo de corte de cabelo não era adequado ot as classes trabalhadoras, que teria encontrado mais impraticável.
Vestida cabelo estilo europeu 
Enquanto o cabelo tende a ser coberto com véus e elaborados cabeça-vestidos em toda a França e Inglaterra, véus parecem ser descartado na Itália em favor de cabelo vestido com pérolas, fitas, beading e broches. Tal como acontece com o estilo mais tarde ramshorn, esses penteados teria sido usado pelas classes superiores só como o tempo e esforço necessários para se vestir e acabar com esses penteados não seria adequado o estilo de vida das classes trabalhadoras.
Mostrado à direita é um detalhe de uma pintura a partir de 1465, de Pollaiulo Retrato de uma jovem mulher, mostrando um véu transparente contendo alguns dos cabelos, envolto sobre as orelhas e garantiu com duas cordas e miçangas com um broche de jóias decorativo no topo. Marian Campbell, em sua publicaçãoJoalharia Medieval na Europa 1100-1500, discute o número de pinturas do século 15 na Europa, mostrando jovens sem véus e com elaboradamente vestido de cabelo
Na Itália, pelo contrário, o número de retratos do século 15 sobreviver mostrando mulheres com suas cabeças mal cobria seu cabelo e artisticamente trançados e vestida, e adornada com fios de pérolas, corais, pérolas e jóias. No entanto, muitos desses retratos, de sitters agora desconhecidos, pode ter sido pintado especificamente para mostrar uma noiva em sua elegância especial e cabelos descobertos.
Apliques falsos e perucas 
Em um tempo onde a modéstia e virtude foram abraçados e desejada, parece improvável que o cabelo adicional seria chamado para, mas parece que as perucas e cabelos falsos estavam em voga e os fabricantes de tais foram regulamentados e tinha uma aliança de seu próprio país. Extensões de cabelo foram encontrados em escavações arqueológicas que datam do início dos tempos, embora apenas um ou dois exemplos datam do período medieval especificamente. A peruca de seda trançada ligado a um filete de seda que foi, provavelmente, jóias, foi encontrado em Londres, e remonta ao segundo quartel do século 14. 
Nada de surpreendente, o clero tentou desencorajar o uso de cabelo falso pelas mulheres ao denunciar cabelo falso como o pecado da vaidade. Gilles d'Orleans, um pregador de Paris no século 13 lembrou aos seus paroquianos que a peruca que eles usavam eram susceptíveis de ser feita a partir das cabeças tosquiadas daqueles agora sofrendo no inferno ou purgatório. Tranças falsas eram conhecidos por ser feito de linho, lã, algodão e seda. A Velha a partir do Roman de la Rose oferece este conselho para uma mulher cujo cabelo está faltando:
E se ela vê que seu cabelo loiro lindo está caindo (a visão mais triste), ou se ele tem que ser cortadas, como resultado de uma doença grave e sua beleza estragou muito cedo, ou se algum Roister raiva deve acontecer a rasgá-la de modo que não há nenhuma maneira em que ela pode recuperar suas tranças grossas, ela deve ter o cabelo de uma mulher morta trouxe com ela, ou almofadas de seda de cor clara, e enchê-lo em todos os falsos postiços. Ela deve usar esses chifres acima de seus ouvidos que não veado ou cabra ou unicórnio poderia superá-los, e não se sua cabeça fosse busrt com o esforço ..
Stella Mary Newton, em seu livro Moda In The Age Of The Black Prince, tem a dizer sobre o uso do cabelo falso:
Em 1310, o bispo de Florença deu ordens para que ninguém de qualquer classe ou posição alguma era para entrar em fraude, vestindo da cabeça, com a intenção de enganar, qualquer afofou os falsos cabelos longos caindo postiços fios de cabelo ou cachos, embora qualquer whos mulher de cabelo próprio era manifestamente inadequada pode usar tranças de linho ou lã ou seda ligado a seu próprio cabelo, evitando assim a ornamentação excessiva, embora pareça natural.
Hairnets Hairnets eram conhecidos e amplamente utilizado nos tempos medievais como forma de restringir o cabelo de uma mulher. A rede de cabelo pode ser usado em conjunto com muitas das belas e estranhas headpieces medievais. Hairnets foram quase sempre usado sob um véu de algum tipo durante o período medieval. Durante o Renascimento, a rede de cabelo conhecida como baixada foi usado sozinho. A baixada tendiam a ser menos bem e, muitas vezes definido com jóias.
Mostrado à direita é uma rede de cabelo encontrados em uma escavação de Londres, datada em 1300, que se parece com o tipo que está disponível hoje. Quatro exemplos de hairnets foram descobertos em escavações de Londres e um feito de seda a partir do final do século 13 e três os de seda atada a partir do século 14. Trata-se de todo o tipo mais fino, mão atadas e com fingerloop trança em torno das bordas que foram popularmente usadas antes que os mais pesados ​​Cauls malha tornou-se mais resistente e jóias foram anexados.
Sobrancelhas e linhas finas 
Durante grande parte do período medieval, a bela mulher emphasisd sua testa alta e redonda. Se uma mulher teve a infelicidade de ter sido naturalmente amaldiçoado com uma baixa linha do cabelo, o visual correto e elegante foi artificialmente reforçada pela arrancar da linha do cabelo de volta em direção ao alto da cabeça. Este look foi acentuada pela redução das sobrancelhas para um mal-lá linha.
Mesmo que tirar as sobrancelhas e linha fina no topo da testa era comum para muitas mulheres, a igreja estava, como sempre, extremamente infeliz sobre isso. Em Confessionale, clérigos são incentivados a perguntar quem veio a confissão:
Se ela arrancou o cabelo de seu pescoço, ou sobrancelhas ou barba para lavisciousness ou para agradar aos homens ... Isso é um pecado mortal, a menos que ela faz isso para remediar desfiguração grave ou de forma a não ser desprezada pelo marido.
Muitos livros citar pequenas pinças feitas de liga de cobre ou prata, como parte de conjuntos de higiene medievais. As pinças acima são datados a partir do século 15 e contam com pinças de latão, uma earscoop e uma pick prego, tudo articulado para dobrar quando não está em uso.