quinta-feira, 28 de março de 2013

Mapa do Desemprego na Europa.



Desemprego entre jovens passa de 55% na Grécia e na Espanha


Gregos observam jornais em uma banca de Atenas divulgando números desanimadores da economia
Foto: Agência Efe

De acordo com a UE, taxa geral subiu para 10,8% no bloco; países mais endividados apresentam piores índices
O Eurostat, órgão estatístico da UE (União Europeia), divulgou nesta sexta-feira (01/03) novos e alarmantes dados sobre a taxa de desemprego entre os países que compõem o bloco. Destaque negativo para Grécia e Espanha, que apresentaram números acima de 50% entre os jovens (pessoas com menos de 25 anos) e em tendência crescente.
Segundo o Eurostat, a o nível de desocupação dos jovens espanhóis atingiu a marca de 55,5% para o mês de janeiro, um décimo a mais do que o registrado em dezembro. Já os dados da Grécia estão atrasados em dois meses, mas muito mais preocupantes: 59,4%. O percentual também é ruim na Itália (38,7%) e Portugal (38,6%). O país em melhor situação nesse critério é a Alemanha: 7,9%. No total, o número de jovens desempregados na UE é de 5,732 milhões, 264 mil a mais do que há um ano, subindo de 22,4% para 23,6%.
Em todos os países que compõem a zona Euro (17 dos 27 membros da União Europeia), a taxa geral de desemprego chegou a 11,9%, alta de um décimo percentual. Já a União Europeia apresenta um índice ligeiramente melhor (10,8% contra 10,7% em dezembro). Em relação ao mês de janeiro de 2012, a alta é ainda mais significativa: 10,8% para a zona euro e 10,1% para a UE.
Esses números representam 26,217 milhões de desempregados em toda a população do bloco (222 mil a mais do que há um mês), sendo que 18,998 milhões utilizam a moeda única (201 mil a mais do que dezembro de 2012.
Entre os países-membros, os menores índices de desemprego geral pertencem à Áustria (4,9%), Alemanha e Luxemburgo (ambos com 5,3%) e a Holanda (6%). Os piores são da Grécia (27% em novembro), Espanha (26,2%) e Portugal 17,6%), justamente os mais afetados pela crise da dívida pública que atingiu o continente em 2010.
Comparados com os índices gerais do ano passado, sete países do bloco observaram queda significativa do desemprego, especialmente a Estônia (9,9%, com queda de 1,2 pontos percentuais), Letônia (14,4%, queda 1,1 ponto), Romênia (6,6%, queda de 0,8 ponto) e Reino unido (7,7%, queda de 0,6 ponto – dados de novembro).
O contrário ocorreu na Grécia (27% contra 0,8% em novembro de 2011), Chipre (9,9% para 17,6%), Portugal (14,7% para 17,6%) e Espanha (23,6% para 26,2%).
Entre os homens, o desemprego cresceu de 10,6% para 11,8% em um ano a zona euro, e de 10% para 10,8% em todo o bloco. Entre as mulheres, o crescimento foi de 11% para 12,1% na zona euro e de 10,2% para 10,9% na UE.