segunda-feira, 25 de março de 2013

Os Drones do Brasil

Mais de 200 drones operam no Brasil sem regulações legais
  
Mais de 200 drones operam no Brasil sem regulações legaisMais de 200 drones (aviões não tripulados) de diversos tipos e tamanhos operam hoje no Brasil sem que exista uma regulação para seu uso civil ou comercial.
Estes tipos de aeronaves são utilizadas em operações que antes dependiam de aviões e helicópteros tripulados, o qual garante sua eficácia, alcance, segurança e baixos custos, segundo a edição digital do diário Globo G1.

Uma das 15 empresas que fábrica estes aviões não tripulados neste território, a AGX Tecnologia, assinala que vendeu mais de 100 drones desde 2005, destaca Globo G1.

Entre os clientes da AGX figuram organismos públicos, entidades do setor ambiental e fazendeiros que usam estes aparelhos para o monitoreo dos labores no campo, destacou seu diretor Adriano Kancelkis.

Outra empresa, a BRVant, informou que vendeu ao menos 35 destes prototipos a militares, agricultores e entidades públicas, e também exportou a outras nações da América Latina.

Rodrigo Kuntz, dono desta empresa, assinalou que a falta de um acordo sobre as regras necessárias para que estes aviões possam operar e sejam certificados impede que tenham maiores vendas.

A utilização destes aparelhos, além de seu conhecido uso militar, estende-se a setores da energia, minería, órgãos de ordem interior e ambiente e da Defesa Civil.

Atualmente, segundo Globo G1, centros de investigações de universidades, que recebem financiamento governamental e privado, trabalham na fabricação de drones de diversos tamanhos e formas.

No final do 2012, a Polícia Federal (PF) utilizou um avião deste tipo, de fabricação israelense, para vigiar uma embarcação suspeita no denominada triplo fronteira (Brasil, Paraguai e Argentina), em uma operação contra o tráfico de drogas e contrabando de armas.

Segundo a PF, estes drones custam até 10 vezes menos que um helicóptero. Brasil comprou dois, dos modelos Heron, a Israel, chegaram ao país em 2010 e foram valorizados em 40 milhões de dólares a cada um.