quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Império Secreto do Vaticano

O jornal inglês The Guardian voltou a tocar em um assunto considerado “tabu” dentro da Igreja Católica: o império secreto construído pelo Vaticano graças à sua relação com o ex-ditador italiano Frederico Mussolini.
Esse conglomerado inclui, por exemplo, a rede Bulgari, de joalheiros de luxo, o banco de investimentos Altium Capital e o Pall Mall.
As empresas e propriedades do Vaticano seriam fruto de uma fortuna entregue por Mussolini em 1929, em troca do apoio papal ao regime fascista italiano, chamando o ditador de “homem de Deus” e posteriormente dando apoio similar a Hitler.
O papa Pio XI recebeu em troca terras para a criação do Estado independente do Vaticano, além de ações das empresas automotoras FIAT e Alfa Romeo, entre outros bens.
Segundo o jornal inglês, o valor internacional do pecúlio ocultado por empresas estabelecidas em paraísos fiscais ultrapassa um bilhão e meio de reais hoje.
Em 2006, no auge da bolha imobiliária europeia, o Vaticano passou a investir em prédios comerciais luxuosos no Reino Unido, na França e na Suíça.
O Guardian comentou extensivamente como o Vaticano tem usado a empresa britânica GroLux Investments Ltd, registrada em nome de dois banqueiros católicos: John Varley, executivo-chefe do Barclays Bank, e Robin Herbert, ligado ao banco comercial Joseph Leopold.
Procurados pelo periódico, a resposta de ambos foi “não estou autorizado pelo meu cliente a fornecer qualquer informação.”
O controle final do que é chamado de “império secreto” é da empresa suíça Profima, que na época da Segunda Guerra foi acusada de “engajar-se em atividades contrárias aos interesses dos Aliados”. O financiador do papa na época era Bernardino Nogara, que controlava os investimentos feitos com o dinheiro doado por Mussolini.
No início da guerra, em 1943, os britânicos acusaram Nogara de “lavagem de dinheiro”, ao manipular as finanças do Vaticano para servir a “estranhos fins políticos”.
Foi nessa época que Nogara criou a empresa de seguros Praevidentia, da qual participaram diversos senadores italianos adeptos do fascismo. Também – existiria a cumplicidade do papa na guerra de ocupação da Etiópia pela Itália (1935) ao fornecer armas ao Exército italiano por meio da Officine Meccaniche Reggiane, outra empresa criada com o fim de levantar capitais. Tudo isso em conseqüência do apoio mútuo chamado “Pacto de Latrão”, quando Mussolini reconhece o Estado do Vaticano e regulamenta seu sistema financeiro.
O dinheiro de Mussolini, segundo John Pollard, historiador da /universidade de Cambridge, foi fundamental para que o sistema papal se consolidasse financeiramente mesmo em períodos de turbulência econômica.
Os investimentos financeiros do Vaticano atualmente estão nas mãos de Paolo Mennini, que lidera uma divisão da APSA – Amministrazione del Patrimonio della Sede Apostolica, responsável pelo “patrimônio mundial da Santa Sé”.
De acordo com um relatório do ano passado do Conselho da Europa, os ativos da unidade comandada por Mennini excedem 680 milhões de euros.
O The Guardian procurou o núncio apostólico, o arcebispo Antonio Mennini, porque o papado continua mantendo segredo sobre seus investimentos bancários. O motivo da investigação era a crise de confiança nos bancos europeus atualmente, mas o porta-voz da Igreja Católica Romana disse que não tem nenhum comentário a fazer sobre o assunto. Com informações The Guardian.