sábado, 14 de abril de 2012

Demóstenes,mestre da oratória

Demóstenes foi o exemplo vivo de quanto vale no homem a força de vontade. Seu ideal era ressuscitar na tribuna ateniense Péricles, que ele escolhera para modelo; faltavam-lhe, porém, todos os dotes naturais, que em tão alto grau possuíra o antigo e afamado chefe do partido popular. A palavra difícil, a pronúncia defeituosa, a voz fraca e pouco sonora, o fôlego curto quase o inabilitavam para a tribuna popular e política, onde, em geral, mais impera o sentimento do que a razão. Não obstante esses senões, o jovem aprendiz continuou com assiduidade os seus estudos. Sob a direção de Isêo esteve quatro anos. Assim que atingiu a idade em que lhe era permitido pela legislação pugnar perante os tribunais pelos seus direitos e interesses (17 anos completos), intentou proferir seus primeiros discursos na tribuna popular. O naufrágio foi completo: ninguém queria ouvi-lo. A populaça vaiou-o sem piedade. Depois de um imenso desalento que se apossou de seu espírito, decidiu não renunciar a eloqüência, estimulado por alguns mestres. Tentou mais uma vez falar ao povo, mas foi ainda mais estrondosamente vaiado do que da primeira vez. 


BREVE BIOGRAFIA DE DEMÓSTENES 


Demóstenes (384 a.C. - 322 a.C.) foi um orador e político grego de Atenas. Aos sete anos de idade perdeu o pai e teve sua herança roubada por seus tutores. Posteriormente, abriu processo para recuperar os bens roubados. Ganhou o processo mas não recuperou todos os bens que lhe pertenciam. Com vinte e sete anos iniciou sua carreira de orador e logo conseguiu destaque. Sua vida como orador e político foi dedicada à defesa de Atenas que se via ameaçada por Filipe II da Macedônia. Contra o líder macedônico, Demóstenes escreveu inúmeros discursos que ficaram conhecidos como Filípicas. O objetivo era conclamar os cidadãos atenienses e arregimentar forças contra a Macedônia antes que fosse tarde demais. Em 338 a.C., Demóstenes participou da batalha de Queronéia - na qual Atenas foi derrotada pela Macedônia e marcou o início do domínio de Filipe e depois de Alexandre, o Grande, sobre a Grécia. Após 335 a.C., Demóstenes vê decair tanto sua reputação quanto a influência. Chegou mesmo a ser condenado por ter se deixado comprar por um ministro de Alexandre e facilitar sua fuga de Atenas. Foi preso mas conseguiu fugir, exilando-se de Atenas por longo período. Após a morte de Alexandre, em 323 a.C., é chamado de volta e retoma suas atividades. Alia-se, então, à revolta contra Antípater. Tendo falhado tal revolta, Antípater exige a entrega dos chefes revoltosos. Demóstenes foge para o templo de Poseidon na ilha grega de Calauria. Quando percebe que está cercado pelos soldados de Antípater, ele se suicida com veneno. Além de algumas cartas, cerca de 60 discursos atribuídos a Demóstenes nos chegaram. Dentre esses, os mais conhecidos são: 

• Filípicas (três ao todo), de 351, 344, 341 a.C. 
• A favor dos ródios, de 351 a.C. 
• A favor de Fórmion, de 350 a.C. 
• Olínticas, de 349 a.C. 
• Contra Mídias, de 347 
• Sobre a Embaixada, de 343 a.C. 
• Sobre as questões da Quersoneso, de 341 a.C. 
• Oração da coroa, de 330 a.C. 

Historia do Canadá

As origens do passado canadense se confundem com as teorias que visam explicar o processo de ocupação do território americano. Segundo alguns indícios, acredita-se que populações de aborígenes tenham chegado a esta região por meio de uma faixa de terra que ligaria a Sibéria e o Alasca. Estima-se que a movimentação destes grupos humanos tenha acontecido há cerca de 30 000 anos.

A colonização do Canadá teve início fora do processo de expansão mercantilista que marca a Europa da Idade Moderna. Os primeiros estrangeiros a se fixarem aqui foram os vikings, que há cerca de 1000 anos promoveram um curto período de ocupação da Ilha de Terra Nova. Já nessa época, acredita-se que o contato entre os nativos e os europeus tenha sido marcado por uma série de conflitos.

Geografia

Ocupando a parte setentrional do continente norte-americano, o Canadá tem 9.970.610 km² de extensão territorial, o que o torna o segundo maior país do mundo depois da Rússia. De leste a oeste, o Canadá possui seis fusos horários.
O lema do Canadá "De mar a mar" é geograficamente incorreto. Além dos litorais do Atlântico e Pacífico, o Canadá tem uma terceira costa no Oceano Ártico, o que faz dele o país de maior costa do mundo.
Ao sul, o Canadá divide uma fronteira de 8.892 km com os Estados Unidos. Ao norte, as ilhas árticas ficam a 800 km do Pólo Norte. Além do Oceano Ártico, a Rússia é a vizinha do Canadá.
Devido ao severo clima do norte, somente 12% da terra são apropriados à agricultura. Assim, a maior parte da população de 27 milhões vive dentro de umas poucas centenas de quilômetros da fronteira meridional, onde o clima é mais ameno, em uma longa faixa estreita que se estende entre os oceanos Atlântico e Pacífico.
Se você voar, no verão, sobre Manitoba ou sobre o norte de Ontário, verá mais água do que terra. São tantos lagos - grandes e pequenos - que não poderiam ser contados. Estima-se que o Canadá tenha um sétimo da água doce do mundo. Além dos Grandes Lagos, que o Canadá compartilha com os Estados Unidos, há também grandes rios e lagos.
O Canadá é dividido em sete regiões, cada uma com um clima e paisagem diferentes.

Banhada pelas correntes quentes e úmidas do Pacífico, a costa da Colúmbia Britânica, entalhada por grandes fiordes e protegida das tempestades do Pacífico pela Ilha de Vancouver, tem o clima mais moderado das regiões do Canadá.
A costa oeste da Ilha de Vancouver tem índices pluviométricos excepcionais, o que faz com que tenha clima de floresta tropical. Embora não tenha a diversidade de espécies de uma floresta tropical, a costa oeste da ilha tem as árvores mais antigas e altas do Canadá: os cedros vermelhos de 1300 anos e os abetos de Douglas com 90m de altura.


  Nas primeiras décadas do século XX, a economia canadense cresceu de forma expressiva, tornando-se uma significativa força agrícola e industrial. Na década de 1930, os efeitos da Grande Depressão foram superados na medida em que a inserção na Segunda Guerra Mundial aqueceu a sua economia e a transformou, após o conflito, no quarto maior parque industrial do mundo.

Na segunda metade do século XX, a prosperidade da economia canadense veio acompanhada por uma série de políticas sociais que firmaram um invejável padrão de vida naquele país. No contexto internacional, o Estado canadense tem papel atuante em operações que defendem a paz mundial e se tornou região atrativa para imigrantes de várias partes do mundo.


Na década de 1980, um movimento na província de Quebec discutiu a separação política de seu território. A justificativa para esta ação seriam os paradigmas culturais quebequenses que estariam muito mais próximos a uma tradição cultural francesa do que a do restante do território, marcado pela hegemônica colonização britânica. Apesar da movimentação, a província de Quebec continua sendo um domínio canadense.

Por fim, ao notarmos a sua formação cultural múltipla, o Canadá passou a acolher pessoas de vários países. As demandas econômicas desta nação a levaram a criar diversos programas que permitem o ingresso de estudantes e trabalhadores para o interior de seu território. De certa forma, a política externa canadense se difere de outras grandes nações que se alarmam com a presença de estrangeiros no país.




                                                                                                  Aqui Um Grande Amigo e colaborador .

Gorbachev glasnost perestroika


Sobre a Glasnost de Gorbachev e Perestroika

Sobre a Glasnost de Gorbachev e Perestroika
Se você já ouviu o ditado: "Aqueles que não aprendem com a história estão condenados a repeti-la", você entende a importância da reforma e continuamente avançando em qualquer sociedade. Mikhail Gorbachev foi um pensador à frente, e ele sabia dos perigos de sua nação repetindo sua história tumultuada. Quando ele chegou ao poder em meados dos anos 1980, o Partido Comunista era a facção dominante na URSS. Através de suas idéias de perestroika e glasnost, ele foi capaz de mudar 75 anos de pensamento entre o seu povo e mover a nação em um novo começo.

Identificação

  • Por definição, traduz Glasnost para o inglês como "liberdade de expressão." Gorbachev acredita que se ele fosse mais aberto com o público, que poderia ajudar a diminuir a corrupção do governo soviético e do Partido Comunista. Esta foi a maneira de Gorbachev de ser mais aberto com o seu povo completamente sem divulgar quaisquer segredos ou informações. Perestroika, que vem da palavra russa que significa "reestruturação", é definido basicamente como a reestruturação do sistema político, social e econômica. Em caso de Gorbachev, a perestroika era um tipo de reestruturação que ajudou a desenvolver a democracia em toda a URSS. No entanto, ele foi recebido com grande resistência da burocracia econômica, como ele deu mais independência económica para as empresas, em vez de a principal força.

 Significado

  • A importância da glasnost e perestroika de Gorbatchov era expor as décadas de corrupção no controle político, econômico e social criado por Marx, Lênin e Stalin. Este, por sua vez, deu russos muito mais liberdade em suas vidas diárias e nas relações econômicas. Isso levou a uma menor censura em todo o país e as pessoas foram autorizadas a discutir política como nunca antes. Eventualmente, a importância do plano de Gorbachev iria mudar a história da Rússia e moldá-lo em uma sociedade mais livre capitalista.


    Efeitos

    • O efeito da glasnost deu os meios de comunicação mais controle. Como resultado, os membros da mídia fez o governo mais transparente. O governo soviético cobria a vergonha sobre a fome, as situações precárias de moradia, poluição e alcoolismo entre a população. Outro efeito importante da glasnost foi a liberação de milhares de prisioneiros políticos e dissidentes do Gulag, ou o sistema penal russo que obrigou as pessoas a fazer trabalhos forçados como punição por seus atos. Glasnost também abriu as portas para a literatura proibida, dando ao povo o direito de ler livros que não foram autorizados anteriores a esse período. O principal efeito da perestroika mudou completamente a economia da Rússia. Deu-empresas e empresas mais liberdade econômica para se tornar auto-financiado e conseguir mais do que conseguia antes.

     Teorias / especulação

    • Tal como acontece com todas as crenças radicais, existem muitas teorias a respeito de porque glasnost e perestroika fiz e não funcionou. Alguns sentem plano de Gorbachev era originalmente uma manobra do líder do KGB Yuri Andropov e perfeitamente roteiro pela KGB para dar mais poder a liderança sob o disfarce da democracia. Outros achavam perestroika era mais como um movimento democrático que deu os líderes que se opunham à autoridade total de um novo foco. De qualquer maneira, a perestroika foi uma das principais razões para a queda do Partido Comunista na URSS ea ascensão da democracia em todo o país. Ele também ajudou a trazer um fim pacífico e produtivo para a Guerra Fria, bem como terminar as divisões principais em toda a Europa.
      São Paulo 13/04/2012




União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS)


Foi o maior país do mundo e a nação comunista mais poderosa entre 1922, quando foi criada, até dezembro de 1991, quando foi extinta. A União Soviética era formada por 15 repúblicas socialistas
Federação Russa, Bielo-Rússia, Ucrânia, Letônia, Estônia, Lituânia, Armênia, Azerbaidjão, Geórgia, Casaquistão, Quirguízia, Uzbequistão, Tadjiquistão, Moldávia e Turcomênia. Ocupando mais da metade da Europa e quase 2/5 da Ásia, cobria mais de 1/7 da superfície terrestre. A União Soviética era maior do que quatro continentes
América do Sul, Antártida, Europa e Oceania. Apenas a China e a Índia tinham mais habitantes do que a União Soviética. Moscou era a capital e maior cidade da União Soviética. O nome oficial do país, em russo, era Soyuz Sovetskikh Sotsialisticheskikh Respublik. No alfabeto russo, as iniciais destas palavras são C.C.C.P. O país era comumente chamado, em português, de União Soviética. Todo esse império desmoronou com a crise do socialismo no final dos anos 80 e a abertura política implementada pelo seu último presidente Mikhail Gorbachev.
Com o fim da repressão e o enfraquecimento do poder central, várias repúblicas que haviam sido anexadas à União pela força retomaram os movimentos separatistas que haviam sido sufocadas pela repressão no período do comunismo. Estes movimentos que começaram pelas chamadas repúblicas bálticas (Lituãnia, Letônia e Estônia) se espalhou para outras repúblicas e tornou insustentável a manutenção da União. O tiro de misericórida no socialismo e na União Soviética foi o fracassado golpe militar de agosto de 1991, quando militares e membros conservadores do Partido Comunista prenderam o então presidente Gorbachev. Quem defendeu a abertura política foi o então presidente do Soviete Supremo Bóris Yeltsin.
A população chamada por ele foi para as ruas e os soldados se recusaram a reprimir o povo. Com a popularidade em alta, Yeltsin assumiu a presidência da Federação Russa, a maior das repúblicas da União Soviética, e deixou de reconhecer o poder de Gorbachev. Em 25 de dezembro de 1991, Gorbachev assinou o decreto que pôs fim a União Soviética, 69 anos após a sua criação.
Para organizar a transição do regime federativo para o de total independência, as ex-repúblicas soviéticas criaram, em 1991, a Comunidade dos Estados Independentes (CEI), que congrega quase todos os países da antiga União Soviética com exceção das repúblicas bálticas - Letônia, Estônia e Lituânia e da Geórgia, que só aderiu em 1996.