quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Israel reitera possibilidade de bombardear Irã


HERZLIYA - Ao fechar um dia de alertas estridentes enviados por políticos e militares israelenses a respeito do Irã, o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, disse nesta quinta-feira, 2, que o mundo está pronto a considerar um ataque militar contra o Irã se os embargos econômicos não pararem seu suspeito programa nuclear.


Ehud Barak: Irã representa 'perigo intolerável' para futuro do Oriente Médio


Mais cedo, o vice premiê de Israel, Moshe Yalom, ministro de assuntos estratégicos e ex-comandante dos militares, disse que todas as instalações nucleares do Irã, mesmo as subterrâneas, são vulneráveis a bombardeios.
Funcionários do governo de Israel se reuniram nesta quinta-feira em uma conferência sobre a possível ameaça do Irã em Herzliya, subúrbio de Tel-Aviv e Jafa, onde um general, Aviv Kochavi, disse que o Irã já possuiria material suficiente para construir quatro bombas atômicas. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, que falou no final da conferência em Herzliya, disse que é uma responsabilidade do Irã provar que não desenvolve armas nucleares. "Eu acredito que eles ainda não fizeram isso", disse Ban na quarta-feira, após uma reunião com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.
"Não existem argumentos contra o perigo intolerável que um Irã nuclear colocaria para o futuro do Oriente Médio, a segurança de Israel e a segurança e a estabilidade econômica do mundo inteiro", disse Barak. "Hoje já existe uma ampla compreensão mundial de que é preciso evitar que o Irã vire um poder nuclear e nenhuma opção será tirada da mesa. Hoje, ao contrário do passado, existe amplo consenso mundial de que no caso dos embargos e sanções não funcionarem em parar o programa nuclear militar do Irã, será necessário considerar uma ação (militar)", disse Barak.
Israel tem sido a voz que lidera os pedidos pela suspensão do programa nuclear iraniano, uma preocupação que cresceu e se espalhou para a Europa e os Estados Unidos, com revelações recentes de que o Irã construiu uma usina nucelar subterrânea perto da cidade de Qom. Mas ao mesmo tempo existe uma grande preocupação internacional com um possível bombardeio ilegal de Israel contra as instalações nucleares do Irã.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.