terça-feira, 15 de junho de 2010

Proposta nuclear apoiada por Brasil e Turquia continua de pé

Proposta nuclear apoiada por Brasil e Turquia continua de pé

Ahmadinejad: proposta nuclear apoiada por Brasil e Turquia continua de pé Imagem: Philippe Lopez/AFP Photo
Imagem: Philippe Lopez/AFP Photo

A proposta iraniana, promovida pelo Brasil e pela Turquia, de trocar combustível nuclear iraniano com as grandes potências em território turco, continua vigente, afirmou o presidente Mahmud Ahmadinejad, citado nesta terça-feira pela televisão estatal.

"A declaração de Teerã continua tendo validade", afirmou Ahmadinejad ao receber o presidente do Parlamento turco, Mehmet Ali Shahin. Essa proposta constitui "um novo modelo de gestão dos assuntos mundiais, baseado na justiça e na lógica", acrescentou.

Na declaração de Teerã, assinada em 17 de maio com o Brasil e a Turquia, a República Islâmica aceitou trocar, em território turco, 1.200 kg de urânio levemente enriquecido (a 3,5%) por 120 kg de combustível enriquecido a 20%, para alimentar seu reator de pesquisa médica de Teerã.

Mas depois de assinar o odcumento, o Irã anunciou que continuará enriquecendo urânio a 20% por conta própria.

As grandes potências acolheram com ceticismo a iniciativa por achar que as autoridades iranianas estavam apenas ganhando tempo.

E, em 9 de junho, o Conselho de Segurança da ONU votou uma resolução impondon novas sanções ao Irã por sua política nuclear.


Da AFP Paris

Colômbia propõe acordo com as Farc para que guerrilheiros se entreguem em troca de garantias

O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, propôs hoje (15) que os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) abandonem as atividades ilegais em troca de garantias constitucionais. Segundo o presidente, o governo assegurará meios aos guerrilheiros para que refaçam suas vidas. A proposta foi feita em entrevista coletiva às emissoras de rádio e reproduzida no site da Presidência da República.

“[Eu proponho] que os guerrilheiros abandonem as fardas, desmobilizem-se e liberem os sequestrados que o governo se comprometerá a dar garantias para que refaçam suas vidas”, disse Uribe, na entrevista coletiva. Mas ele não detalhou que garantias seriam essas.

A proposta de Uribe é apresentada logo depois do resgate de mais quatro militares que eram mantidos como reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Nos últimos dois dias, foram libertados o general Luis Mendieta, os coronéis Enrique Murillo e William Donato, além do sargento Arbey Delgado.

A cinco dias do segundo turno das eleições presidenciais, Uribe afirmou que as operações de resgate devem ser mantidas de forma contínua até que todos os reféns estejam em liberdade. “É uma tarefa que se deve manter que é para resgatar os compatriotas que seguem sob poder dos guerrilheiros”, disse. Segundo ele, é um “exercício humanitário”.

O presidedente afirmou que as operações de resgate foram intensificadas. A expectativa, de acordo com ele, é resgatar nos próximos dias três engenheiros que estão sob poder das Farc. Mas não estabeleceu prazo nem data exata.

Há três meses, o governo do Brasil cooperou no resgate de reféns das Farc ao enviar dois helicópteros para a Colômbia. Na ocasião foram libertados o cabo do Exército Pablo Emilio Moncayo e o soldado Josué Daniel Calvo Nuñez.

As Farc, criadas na década de 1960, afirmam que defendem a adoção do regime socialista na Colômbia. Porém, para especialistas, a guerrilha mantém o controle de parte do refino e da distribuição de cocaína na Colômbia.

Da Agência Brasil

Brasil e sua Agricultura


O Brasil terá a maior produção agrícola do mundo na próxima década. É o que prevê o relatório anual Perspectivas Agrícolas 2010- 2019, publicado hoje (15) pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

De acordo com a publicação, a produção agrícola brasileira aumentará 40% de 2010 a 2019 – crescimento superior ao da Rússia, Ucrânia, China e Índia, que devem registrar percentual médio superior a 20% no mesmo período.

O informe aponta os setores de etanol e oleaginosas como alguns dos destaques da agricultura brasileira. A produção de álcool combustível deve crescer 7,5% ao ano até 2019, segundo a agência de notícias da BBC. No setor das oleaginosas, o Brasil deve se tornar o maior exportador mundial em 2018, superando os Estados Unidos. A tendência é de que a produção brasileira passe dos atuais 26% da produção mundial este ano para 35% em 2019.

Para a FAO e a OCDE, o ritmo do crescimento agrícola será mais lento na próxima década em relação aos últimos dez anos, mas atingirá a meta de 70% de aumento estimada para atender a demanda mundial por alimentos prevista para 2050.

Da Agência Brasil